E agora, José?

Uso o nome da famosa poesia de Carlos Drummond de Andrade como título porque ela sempre vem à minha mente em certos momentos da vida. Eis um deles:

Era o primeiro dia depois de quatro anos que eu acordava sem pensar que dali a uns dias ou semanas eu teria que voltar para o Seminário, em Campinas. Até então achava que tal sensação seria muito agradável. Afinal, o peso dos estudos e da labuta das viagens tinha acabado. Mas eu estava equivocado.

Explodia dentro de mim uma sensação de incompletude. Parecia que estava faltando alguma coisa. Estava meio perdido. As perguntas que vinham à minha mente eram exatamente as deste poema: “a festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? E agora, você?”

O fato é que os anos ali, de certa forma, me completaram. Foram experiências que só confirmaram e lapidaram a vocação que me foi confiada. Por isso, quando a festa das risadas com os amigos acabou, as luzes dos momentos de conversa se apagaram, e aquele povo tão querido “sumiu”, me senti incompleto.

Você já se sentiu como este José, incompleto? Parece que algo está faltando, não é mesmo?

Num momento de sensação de incompletude não há nada mais confortante e revigorante do que a certeza da companhia e da proteção do Senhor. Coloco Senhor em letras maiúsculas porque ele é Yahweh, Deus de perto, nosso Protetor, Consolador e Libertador.

E é este mesmo Senhor que, no momento de sua exaltação como Deus encarnado (Atos 1.8), prometeu completar toda incompletude de cada um de nós por meio do Espírito Santo. Alguns discípulos já pensavam em olhar pra trás, voltando àqueles seus antigos hábitos antes de serem chamados pelo Mestre.

Naquele momento, o Senhor Jesus, Emanuel, Deus conosco, disse aos que se sentiam incompletos que aguardassem um pouco até o Espírito Santo vir sobre eles. Aí sim eles seriam completos.

Seja qual for o motivo da sensação de incompletude, o Espírito Santo é o único que pode nos completar, consolando-nos e preenchendo toda lacuna do nosso coração, da nossa alma.

O Espírito Santo nos responde esta pergunta: E agora? Ele está em nós para nos completar e nos conduzir à missão que nos foi confiada, tornando-nos suas testemunhas. A minha missão, a de pastorear ovelhas, tem preenchido minha vida. Deus também deu a você uma missão, através da qual deseja ser anunciado. Qual é a sua missão? Deus quer usá-la para a glória dele e para preencher todas as áreas da sua vida.

Assim caminhamos até o dia em que Jesus completará essa boa obra começada em nós (Filipenses 1.6), tornando-nos totalmente perfeitos, incorruptíveis como Cristo e cheios da Sua glória (1Coríntios 15.50-58; Filipenses 3.21).

Pastoral publicada no Boletim 93, de 09/10/2011. Lic. Renato.

Categorias: PastoraisTags: , , ,

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *