Filho, coma mais salada

Na segunda-feira eu assisti ao último episódio de Os Vingadores. Uma cena chamou minha atenção: Thor voltou no tempo e se encontrou com sua mãe. O herói estava deprimido e havia engordado muito. A mãe olhou para ele — acabado, barrigudo, com cabelos e barba desgrenhados. Depois ela sorriu, o abraçou e disse: “filho, coma mais salada”.

Aquilo me fez pensar nestas pessoas que nos foram dadas pela divina providência: nossas mães. “Filho, coma mais salada” resume bem o que é uma mãe e a aqui eu me refiro às mães típicas.

Mães são cheias de defeitos. Toda semana um terapeuta ouve, de seus pacientes, a palavra “mãe” acompanhada de uma reclamação ou relato de evento “traumático”. E de fato, poucas pessoas marcam e moldam tanto nossa vida adulta quanto nossas mães. Nossa saúde interior exige que “façamos as pazes” com nossas mães, psicológica e espiritualmente. Se sua mãe ainda estiver viva, recomendo que você faça enquanto há tempo.

Mães são dádivas de Deus. Quanto mais amadurecemos, mais valorizamos pessoas reais, com suas virtudes e defeitos. Durante a infância e adolescência emocional, exigimos dos outros uma perfeição impossível. Com o passar do tempo somos forçados a lidar com nossos muitos defeitos; aprendemos que precisamos da graça de Deus todos os dias e somos feitos, pelo Espírito Santo, mais tolerantes e maleáveis segundo Jesus Cristo — pelo menos devia ser assim (Pv 4.18; Gl 5.22-23). A Escritura nos convoca a “honrar” nossas mães (Ef 6.2-3). Honrá-las hoje, no Dia das Mães e honrá-las todos os dias de nossa vida.

Mães podem não saber de tudo o que nós “pensamos” que sabemos, mas ordinariamente, elas sabem quem realmente somos e do que precisamos. Elas jamais orientam ou exigem sem pensar em nosso bem. Elas nos “monitoram” não para tirar nossa liberdade, mas para garantir nossa segurança. E elas continuam mães a vida inteira; se alegram e se orgulham com nossas boas realizações e felicidade, assim como sofrem nos bastidores; perdem o sono e choram a valer quando padecemos, ainda que se esforcem para não demonstrar isso.

E quando nos veem acima do peso, elas recomendam: “filho, coma mais salada”.

Graças a Deus pelas mães!

Pr. Misael.

Categorias: PastoraisTags: , , , ,