Isso não é banal

Efésios 2.1-5

“Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais. Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, — pela graça sois salvos,”

No texto de Efésios 2.1-5, o apóstolo Paulo escreve sobre o grande privilégio de pertencermos a Cristo. Ele apresenta nossa situação antes de conhecermos ao Senhor (v. 1-3): mortos, sem esperança e distantes do Criador. Desde o momento em que o homem abandonou a Deus (Gênesis 3), a morte entrou em cena. Mas graças a Deus pela frase: “todavia, Deus…” (v. 4). Deus tomou a iniciativa de enviar Jesus para pagar o preço que nós não conseguiríamos pagar. Através do sacrifício de Cristo, nós passamos da morte para a vida, fomos reconciliados com Deus e hoje temos livre acesso à sua presença. Acesso este que havia sido impedido pelo pecado de Adão e agora foi novamente aberto pela obra de Cristo. Tudo isso aconteceu pela graça — pela graça nós fomos salvos e isto não veio de nós, foi dom de Deus. Não foi porque merecemos mas porque Deus é bom e misericordioso! Esse é o maior milagre que o ser humano poderia receber

O grande problema é que para muitos cristãos, esse evangelho que Paulo resume em Efésios 2 tem caído no esquecimento, ou pior ainda, tem se tornado algo banal. Já não nos emocionamos mais com o que Cristo fez por nós, já não nos empolgamos mais com as boas novas, já não nos surpreendemos mais, não nos alegramos mais em Deus. Para muitos, a vida cristã se tornou tão monótona, tão sem graça, sem sal e sem vida, que acabamos nos acostumando com ela. Consequentemente, já não nos alegramos e festejamos mais com a salvação pela graça conquistada por Cristo na cruz do Calvário.

É triste ver cristãos que se acostumaram com a vida cristã. Vão à igreja porque é costume e faz bem para a consciência. Leem a Bíblia para cumprir um ritual e fazem orações mecânicasa. Entram e saem da igreja como se tudo aquilo fosse banal.

Precisamos repensar nossa caminhada com Deus! Não podemos perder nunca a alegria da salvação pela graça. Não podemos deixar nunca de festejar e nos alegrar com o que Cristo fez por nós, tirando-nos da morte e nos trazendo vida plena e reconciliação com Deus. O que Jesus fez por nós não é algo banal, não é algo que deve cair no esquecimento ou com o que devemos meramente nos acostumar. A obra que Cristo realizou por nós deve ser lembrada todos os dias de nossas vidas, deve ser pregada nos quatro cantos da terra, deve ser cantada, anunciada, celebrada, porque Deus é bom e sua misericórdia dura para sempre.

Se Deus não tivesse tomado a iniciativa, onde estaríamos agora? Se Deus não tivesse olhado com graça para nós, estaríamos mortos. Se ele não tivesse enviado seu único filho, Jesus Cristo, para morrer em nosso lugar, o que seria de nós? Por isso, nunca deixe que a vida cristã se torne algo banal para você. Tenha isso como motivo de grande alegria e agradeça a Deus pela salvação concedida em Cristo Jesus.

Seminarista Thiago. Publicado no Boletim 144, de 30/09/2012.

Categorias: PastoraisTags: , , ,

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *