O evangelho explicado em Gálatas

O evangelho explicado em Gálatas

O evangelho é explicado em Gálatas 2.15-18. Sendo essencialmente santo, Deus só pode ter comunhão com o justo (Is 59.1-3; Sl 15.1-5; 24.3-6). Como podemos ser aceitos diante dele?

“O homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Cristo Jesus” (v. 16). É impossível se tornar justo diante de Deus baseado em boas obras: “por obras da lei, ninguém será justificado”. Nós somos justificados unicamente pela fé em Jesus: “também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei”. Esta é a única (e divina) forma de justificação (cf. Jo. 14.6).

Sendo assim, quem busca ser aceito por obras é transgressor (v. 17-18). O v. 17 é enigmático: Paulo era tido como “pecador”, porque comia com os pagãos (At 11.3)? Era mal interpretado, porque ensinava que Cristo salva pecadores? Alguns imaginavam que, para Paulo, Cristo era um “ministro do pecado”? Eles entenderam errado. Paulo esclarece que buscar ser justo pela obediência à lei equivale a retornar ao ensino de justificação pelas obras do judaísmo (v. 18).

A fé salvadora realiza uma demolição dos modos inventados pelo homem de se aproximar de Deus. Toda vez que abraçamos uma religião baseada em obras, retornamos à condição de transgressores, porque não conseguimos realizar as obras requeridas pela santidade de Deus. Somente Jesus foi perfeito diante do Pai. Temos de abandonar o modo humano de salvação e reconhecer que Jesus é o único caminho para nossa religação com Deus.

Pr. Misael.