Pedidos de paz

Há pouco mais de uma semana o mundo experimentou a expectativa pela virada de ano. Como de costume, pessoas se vestiram branco demonstrando seus anseios por paz e alegria. Porém, mal as roupas brancas das festas foram trocadas, a notícia que se espalhava era a de uma possível guerra, depois da morte de um líder iraniano.

Para muitos, as expectativas de paz se esvaem e o que fica é o assombro dos noticiários. Qual otimismo consegue prevalecer em um cenário assim? Que tipo de paz e alegria pode romper o céu nublado que vemos, para nos elevar ao azul e límpido horizonte que existe acima?

Não creio ser o caso de não estarmos atentos aos acontecimentos, ou de não nos preocuparmos em certa medida com problemas que talvez estejamos enfrentando. É importante lembrar o que diz o apóstolo Paulo em Efésios 5.15-20. Em meio aos dias maus, a igreja deve se encher do Espírito Santo (Ef 5.18). O mesmo apóstolo diz em outra carta: “Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração” (Cl 3.15). O desfrute da paz de Cristo está ligado ao enchimento com o Espírito Santo de Deus.

Por fim, sejam as palavras de Jesus (em Jo 14.27) o raio de sol que brilha acima e através de qualquer tempestade que aponte em nosso céu, durante 2020 e eternamente:

Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.

Seminarista Robson.

Anteriores
Dez anos