Tempo seco

Deus tem me dado o privilégio de pastorear em cidades nas quais há períodos de baixa umidade do ar. Especialmente o outono e o inverno são propícios à tosse intermitente, dores de cabeça e dificuldades de respiração. Para alguns desaparece a energia: acordar de manhã torna-se um fardo, a cabeça parece pesar muitos quilos e os neurônios sinalizam funcionar em “marcha lenta”.

Penso na experiência de Israel a caminho de Canaã. Se o clima em algumas cidades do Brasil é ruim em determinadas épocas do ano, imaginemos a situação do povo de Deus durante aquela peregrinação. Foram quarenta anos debaixo de um sol escaldante. Leio também sobre a fuga de Elias e a tentação do Senhor Jesus, isolados no deserto por quarenta dias (1Reis 19.8; Mateus 4.1-2). Por último, vejo no Apocalipse a mulher, símbolo da igreja, que recebe asas como de águia e voa para o deserto, onde fica por algum tempo, guardando-se da vista de Satanás (Apocalipse 12.14). Caminhadas com Deus, no deserto. Depressão, tribulação e crescimento, no deserto. Tentação, proteção e vitória, no deserto.

Essas reflexões me consolam. Me ajudam a ver que Deus está conosco até nos meses mais secos. É bom saber que a sua misericórdia nos sustenta, levanta e fortalece para a batalha, mesmo quando estamos sem ânimo. É uma graça que nos enche de força que não é nossa, de alegria que não vem de nós, de coragem que desce dos céus: “dizei aos desalentados de coração: Sede fortes, não temais. Eis o vosso Deus […]” (Isaías 35.4). A graça de Deus! Quem poderá entendê-la? Quem terá palavras suficientes para louvar ao Senhor, por sua graça?

Outra verdade preciosa é que Deus coloca “um caminho no deserto, e rios no ermo” (Isaías 43:19). Ele transforma o deserto em um oásis cheio de fontes, flores e frutos, tais com as redondezas do Hermom (Salmo 133.3). E isso ele faz não apenas com o Saara, com a caatinga nordestina ou o cerrado, mas também com os nossos corações ressecados.

São verdades como essas que me ajudam a “segurar a barra” nos meses secos. Talvez você não seja como eu, tão afetado pelo clima. Aos que passam por um período de aridez interior, eis a hora propícia para buscar ao Senhor. Ele atende gentilmente a todos os que lhe pedem auxílio.

Rev. Misael. Publicado no Boletim 024.

Categorias: PastoraisTags:

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *