Posts from novembro 2020

Uma nota de gratidão

Eu desembarcava em São José de Rio Preto no dia 13 de dezembro de 2017. Passaria alguns dias organizando a mudança até que viessem Ivonete, Matias e Lúcia, que ainda estava na barriga da mamãe. Eu só assumiria a função de pastor auxiliar em janeiro de 2018, mas logo no meu primeiro domingo na igreja, dia 17 de dezembro, recebi um presente da Sociedade Auxiliadora Feminina (SAF) na homenagem pelo Dia do Pastor Presbiteriano. Ali ficoumarcado o carinho que receberíamos…

Adoradores

O tema da adoração está presente do início ao fim da Bíblia. Deus é adorado e procura adoradores. Tal procura implica disposição graciosa de Deus, de abençoar o adorador (Gn 4.4). Mesmo sendo completo e todo-suficiente, Deus imprimiu na criação uma disposição adoradora. O homem deslocou esta disposição em direção ao seu próprio ego e caiu em um engano de morte, sob influência da serpente (Gn 3.6). Deus proveu graça na justificação. A graça divina chega ao seu clímax na…

Não fosse o Senhor (conclusão)

Continuamos olhando para o salmo 124, onde lemos duas vezes a expressão “não fosse o Senhor”. Eu disse antes que, “não fosse o Senhor”, nós seríamos vencidos pelo mal (v. 2-5). Notemos a beleza do discernimento de Davi, célebre por suas batalhas e que conhecia estratégias de guerra. Ele não se gloriou em sua capacidade ou nos méritos de seus guerreiros. Pelo contrário, reconheceu que, se estava vivo, era por causa do cuidado de Deus, ou seja, “não fosse o…

Não fosse o Senhor…

Davi escreveu este salmo agradecido a Deus, que o libertou de seus inimigos. Ele era cantado nas festas de romagens, como hino de glorificação ao Senhor, que acompanha e protege Israel. Nele repete-se a expressão “não fosse o Senhor” (v. 1,2). Podemos afirmar que, “não fosse o Senhor”, nós teríamos sido vencidos pelo mal (v. 2-5). O salmo menciona os “homens” (v. 2) e também, as “águas” (v. 4-5). É possível pensar nos exércitos inimigos, enfrentados por Davi, bem como…

Medo do escuro

Matias sempre dormiu no escuro e isso nunca foi um problema. No entanto, retornando de viagem, confessou, com lágrimas nos olhos, que estava com medo. Eu tentei entender melhor: fiz algumas perguntas, mas tanto a confusão interna quanto as limitações em sua forma de se expressar não permitiram que ele articulasse mais claramente qual era o objeto real do medo. Existiam soluções fáceis, como deixar a luz acesa ou inventar algum placebo, mas aquela era uma boa oportunidade para pastorear…