Administrando o caos

Administrando o caos

Caos é desordem e confusão. Politicamente falando, trata-se de ausência de governo. Em uma empresa, significa desorientação estratégica ou metodológica. Em um quarto de adolescente… bem… quem tem filhos nessa idade sabe do que eu estou falando.

O relato do Gênesis nos mostra que aquilo que chamamos de “criação” envolveu, na verdade, tanto a criação propriamente dita (o surgimento sobrenatural de coisas que não existiam — Hebreus 11.3) como a organização do que estava sendo criado (a separação das coisas em categorias — Gênesis 1.3 a 2.3). Deus se revela não apenas como criador mas também como organizador.

No universo, o caos é percebido pelo menos por três razões, quais sejam, a fragmentação causada pelo pecado, a ação demoníaca e o modo direto como Deus intervém nos processos históricos.

Tanto o pecado quanto o diabo produzem confusão. O ser humano tem facilidade para “arranjar encrenca” e continuamente se vê preso a um emaranhado de problemas para os quais não enxerga solução. O coração, cheio de tolice, conduz para o erro e Satanás aproveita-se dessa brecha para semear a desordem.

O pior do caos é a sensação de insegurança, a noção de que Deus está ausente ou, se presente, zangado conosco. O mundo fica escuro e encontramo-nos sozinhos. O chão é tirado de sob nossos pés, somos chacoalhados em um triturador existencial e sentimo-nos exauridos, amargos ou rançosos.

Como administrar o caos?

Primeiro fazendo separações. Assim como Deus separou as águas (acima e debaixo do firmamento) e os luzeiros (os diurnos dos noturnos — Gênesis 1.7, 14) é preciso que dividamos os problemas em partes. A partir de então devemos nomeá-los, identificando suas características e peculiaridades. Perceberemos que todos eles se encaixarão em uma de duas categorias: os que podemos e os que não podemos resolver.

Depois, é hora de começar a solucionar os problemas da primeira categoria. Isso ao menos possibilita uma nova sensação: a ordem começa a inserir-se no caos e isso traz uma certa medida de alívio. Mas nada de ânimo precipitado; a vida nessa terra não oferece alívio completo.

Terceiro passo: entregar os problemas irresolúveis a Deus. O que não se pode resolver, não se pode resolver. Parece óbvio mas é incrível o quanto alimentamos úlceras buscando soluções impossíveis. O Senhor, conhecendo nossa finitude, orienta a que lancemos sobre ele nossas ansiedades, certos de que “ele cuida de nós” (Mateus 6.25-34; Lucas 12.22-34; Filipenses 4.4-7).

Isso nos leva a uma conclusão: o caos é permitido por Deus para acentuar nossa dependência. Aprendemos que não somos senhores soberanos sobre os detalhes de nossas vidas; o absurdo nos visita e desestabiliza, o infortúnio invade nossos lares sem pedir licença e temos de enfrentar o inesperado. “Damos conta” de algumas dificuldades mas, para outras, temos de aprender a confiar em nosso Pai celestial e todo-poderoso, sapientíssimo, bondoso e gloriosamente justo (Salmo 40.1-5; Romanos 8.18, 28).

Podemos organizar certas coisas; outras necessitam da palavra criadora de Deus e, entendamos bem, há certas manifestações de caos que não serão dissipadas neste lado da existência e aguardarão a consumação da história (Apocalipse 21.3-4).

Rev. Misael. Publicado no Boletim 022.

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Mais informações.