Pastorais

Deus bondoso

Na primeira epístola do apóstolo Pedro para as cinco províncias romanas, localizadas na região em que hoje se encontra a Turquia, vemos logo no início, uma profunda exposição da obra de Cristo: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos” (1Pe 1.3). Essa obra maravilhosa de salvação deveria encher os corações de alegria enquanto as coisas não…

Caminhando com Deus nos últimos dias

A profecia de Daniel 12.9-13 informa sobre nossa caminhada com Deus, enquanto aguardamos a volta de Cristo. Daniel deve “ir”, ou seja, caminhar com Deus “até ao tempo do fim” (cf. Dn 12.9,13). Os servos de Deus permanecerão firmes e esclarecidos (12.10). Confiarão na promessa do evangelho e receberão a herança (Dn 12.12-13). Os que não pertencem a Deus continuarão pecando e serão confundidos (Dn 12.10,11; cf. Ap 22.11). Os salvos respondem a Deus com santificação; os que não conhecem…

Ansiedade tem jeito

Como podia Paulo pedir aos filipenses que se alegrassem no Senhor (Fp 4.4), se ele estava preso, sofrendo perseguição de Roma, dos judaizantes e do mundo pagão? Como um cristão pode não ser nocauteado pela ansiedade diante do desemprego, da saúde abalada, de problemas conjugais, da zombaria de um mundo incrédulo que o persegue? É preciso ser firme no Senhor (Fp 4.1). Mas o que isso significa na prática: como enfrento a ansiedade, certamente, um dos gatilhos da depressão, “o…

Somente cinco coisas

Em 31 de outubro de 1517, Martinho Lutero fixou suas 95 teses na porta da capela do Castelo de Wittenberg, iniciando a Reforma Protestante. Começamos a compreender a Reforma refletindo em cinco afirmações que utilizam a palavra “somente” (ou sola, em latim): Somente a Escritura, somente Cristo, somente a graça, somente a fé e glória somente a Deus. Em plena pandemia, cercados por inúmeros problemas práticos, por que pensar nestas cinco declarações da Reforma? Do mesmo modo como as pessoas…

O amor aos descrentes

Você já prestou atenção a Mateus 5.43-48? Jesus nos manda amar tanto aos crentes quanto aos descrentes: “amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem” (Mt 5.44). Fácil de falar. Difícil de praticar. Quem é ou quem são nossos inimigos? No contexto de Mateus, nosso Senhor se refere aos inimigos de Israel: os romanos (dominadores cruéis), gregos (imorais, idólatras e racionalistas) e demais gentios. Em nosso contexto, qualquer pessoa ou instituição que milita contra os valores judaico-cristãos da…

A justiça do reino e a generosidade

No Boletim 611 eu afirmei que, de acordo com Jesus, nossa justiça deve exceder a dos fariseus (Mt 5.20). Essa justiça do reino de Jesus redefine a maneira como encaramos e administramos os nossos relacionamentos com todas as pessoas (Mt 5.38-42). A justiça do reino de Jesus não deve ser confundida com justiça própria ou legalista (praticada pelos fariseus). É ação que flui de vida interior enriquecida pelo amor divino. Misericórdia que produz obras. Graça que conduz a dever. Não…

Guiando o coração

A Palavra de Deus nos fala muito sobre o nosso coração (Dt 6.5; 1Sm 12.14; 16.7; Jr 17.9; Sl 51.10; 119.11). Mas, o que é o coração, à luz da Bíblia? O coração é o íntimo da pessoa; seu retrato fidedigno. Diz respeito à fonte das emoções e vontade. Por isso, Deus diz: “Dá-me, filho meu, o teu coração” (Pv 23.26). E ainda: “Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida”…

Fé anônima

O substantivo “fé”, em uma perspectiva religiosa, tem sido banalizado no mundo contemporâneo. Todos têm fé e ela pode todas as coisas. Já dizia o poeta: “Andá com fé eu vou, que a fé não costuma faiá”. Para muitos, a fé é o objeto da fé; a fé é impessoal; a fé é um fim em si mesmo. Semana passada, recebi a seguinte mensagem: “Não há batalhas que não possam ser vencidas, para aqueles que usam a fé como arma”.…

Orientação profunda e sempre atual

Em toda a Bíblia encontramos a revelação clara e atual do Deus criador, com princípios para caminhar sob sua orientação, conservados por sua graça. Por exemplo, em Êxodo 12.1-28, há instruções que combinam com uma proposta de planejamento denominada 5W2H (em português, o que, por que, quem, onde, quando, como e quanto).¹ A Páscoa é instituída desta forma: Quando: “o primeiro mês do ano” (v. 1); “aos dez deste mês” (v. 3); “no crepúsculo da tarde” (v. 7). O que:…

“Não resistais ao perverso”

O que Jesus quis dizer em Mateus 5.39 — “eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso”? Temos de ser passivos diante do mal? No séc. 1, os judeus estavam sob Roma, que escancarava os ferrolhos das grandes fortalezas e rebaixava os reis da terra. Israel venceria Roma pela espada? Os fanáticos zelotes respondiam que sim, mas esta indignação causou devastações. Antes e depois de Jesus, a atitude ardente e revoltosa dos zelotes conduziu a montões de mortes.¹ No outro…

A justiça “difícil” de Jesus

O cristão anda por fé e disposto a servir. De acordo com Jesus, nossa justiça deve exceder a dos fariseus (Mt 5.20). Em Mateus 5.38-42, nosso Redentor ordena como devemos reagir aos perversos, sejam estes judeus ou romanos. A justiça de Jesus extrapola o direito. Conforme Deuteronômio 24.10-13, o pobre cujo manto foi tomado como penhor de uma dívida, tinha o direito de ficar com ele durante a noite, para se proteger do frio. Jesus ordena ao pobre que renuncie…

Deus é nosso grande bem

Os redimidos têm todo o seu bem objetivo em Deus. O próprio Deus é o grande bem, e os crentes são trazidos, por meio da redenção, à posse e gozo deste grande bem. Ele é o sublime bem, a soma de todos os bens que Cristo comprou; ele é o quinhão de nossa alma. Deus é a riqueza e o tesouro, a comida, a vida, a habitação, o ornamento, o diadema, a glória e a honra eterna dos redimidos. Eles…

Livres do inferno

A doutrina do inferno não é popular nem em púlpitos de igrejas, nem na cultura secular. Falar do inferno como o lugar de punição dos pecadores não atrai dizimistas e tampouco vende jornal. Ao longo das eras, o homem assumiu crenças equivocadas acerca da realidade do inferno que acabaram desacreditando sua existência como se dera com o agnosticismo, o aniquilacionismo, o universalismo e a doutrina do purgatório, todas antibíblicas. Jesus Cristo foi quem mais falou sobre o inferno na Bíblia,…

Jesus Cristo consolador

Jesus é o servo de Deus “ungido” da profecia de Isaías 61.1-3. Seu ministério consiste em “consolar todos os que choram e […] pôr sobre os que em Sião estão de luto uma coroa em vez de cinzas, óleo de alegria em vez de pranto”. O Redentor ministra lenitivo à alma. Opera contentamento incondicional, nutrido por Deus e não pelas circunstâncias. Troca nossas “cinzas” ou “tristezas” por uma “coroa de alegria” (Bíblia Hebraica, uma “grinalda”). Deus nos dá forças para…

Cuidados e cuidadores

A salvação pela graça insere a pessoa no corpo de Cristo e a transforma em um vaso útil para boas obras. É o que Paulo diz a Tito: “Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente” (Tt 2.11-12). Como discípulos de Jesus temos de agir como servos. Jesus viveu uma vida de serviço e o discípulo deve amar…

A morte da morte (conclusão)

Hebreus 2.14-15 revela que, na morte de Cristo, Deus venceu a morte. Isso quer dizer que, enquanto José de Arimateia prestava serviço ao seu Senhor “morto” (cf. Mc 15.42-47), Deus estava derrotando o diabo e a morte e assegurando nossa liberdade. Ao se deixar golpear pelo diabo, Cristo venceu o diabo e libertou seu povo (cumprindo Gn 3.15). Quando John Owen meditou sobre a obra de Jesus, escreveu um livro intitulado A Morte da Morte na Morte de Cristo. Naquele…

Olhos fitos em Cristo

Em algumas situações, podemos nos ver em um dilema de opiniões ou posicionamentos, que nos levam a pensar que não existe alternativa satisfatória, e que mesmo buscando assumir uma postura bíblica, parecerá que nada resolve o conflito entre os pontos A e B. Ao tratar de tal assunto diante de Deus, é possível concluir que sua profundidade está além de nossa capacidade; que não somos aptos para interiorizar adequadamente sobre a questão. Isso nos parecerá como andar sobre um terreno…

Alegre-se cristão!

O Cristianismo é a única religião que ensina que o homem precisa de redenção, mas ela não pode ser realizada por ele, e sim foi realizada por Jesus Cristo na cruz (Gl 1.4). O Cristianismo convida seus seguidores a tirarem os olhos de si mesmos e negarem suas supostas verdades, para confiarem naquilo que Jesus realizou na cruz a favor deles (Mt 16.24). Ser cristão não é ser orgulhoso de sua condição pessoal, mas vestir o traje da humildade abrindo…