O Deus de meu Pai

O Deus de meu Pai

A oração de Jacó, registrada em Gênesis 32.9-12, inicia com as palavras “Deus de meu pai Abraão e Deus de meu pai Isaque”. Pressionado pela ansiedade decorrente de seus muitos problemas, Jacó recorreu ao Senhor com base na aliança que este havia firmado com seu pai e seu avô.

A conversão é individual; um filho não é salvo baseado na fé de seu pai. Cada um de nós se apresentará diante do tribunal divino (Ez 18.1-24). Temos de estar certos de que desfrutamos de relacionamento pessoal com Deus através de Cristo (Jo 3.3-6). Mesmo assim, a Bíblia fala de uma aliança que abarca a família:

Estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência no decurso das suas gerações, aliança perpétua, para ser o teu Deus e da tua descendência.

Gn 17.7

A fé de um pai faz diferença! Confirmada por uma vida piedosa, planta nos corações dos filhos as sementes do evangelho e os hábitos de santidade. O pai crente deixa uma herança muito preciosa e que pode durar eternamente.

Abraão e Isaque não foram pais perfeitos. Ambos foram repletos de falhas e tropeços, mas Deus os alcançou por graça. Eles andaram com Deus nesta terra e testemunharam sobre a esperança de redenção. Destarte, Jacó, o peregrino imperfeito e atribulado, pôde recorrer a Deus, lembrando-se de seu pai.

Será uma bênção se nossos filhos puderem se lembrar do Salvador ao mesmo tempo em que se recordam de nós como pais que desfrutaram da intimidade do Todo-poderoso.

Pr. Misael