O retrato e a “chapa”

O retrato e a “chapa”

No último domingo, o Rev. Misael fez um interessante paralelo entre a pequena fala de Jó em Jó 40.4-5 e o que Paulo escreve em Romanos 3.19-20. Jó mostra que todos somos pequenos diante um Deus impressionante. Por isso, se cala.

Paulo apresenta a lei como um espelho, revelando quem realmente somos. Ao olhar para o espelho eu concluo: “este é o meu ‘retrato’. Eu me encaixo aqui”. Sua importância é tamanha que nos ensina (1) a ficar calados, pois todos somos culpáveis perante Deus (Rm 3.19); (2) que ela cumpre uma formalidade, a sujeição ao julgamento justo de Deus (Rm 3.20a) e (3) a conhecer plenamente o nosso pecado (Rm 3.20b).

Antigamente, um exame de raios x era chamado de “chapa”. Em tempos de pandemia, ela tem sido muito utilizada para verificar a existência ou não de manchas nos pulmões. O propósito da “chapa” não é salvar, apenas dar conhecimento da doença. Da mesma forma, a lei não salva, mas serve para mostrar a situação do nosso coração e o pleno conhecimento do nosso pecado. E ela certamente encontrará muitas manchas.

A Palavra de Deus nos auxilia de forma preciosa e graciosa a vermos quem realmente somos e, como uma “chapa”, nos dar o pleno conhecimento do pecado que nos leva à morte (Rm 6.23a). Ela é “perfeita e restaura a alma”, nos apontando para o caminho da salvação, informando que “o dom gratuito” de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor (Sl 19.7a; 2Tm 3.14; Rm 6.23b).

A ele, pois, toda honra e toda glória!

Marcus Prisco.