Prioridades toscas de mentes inconversas

Prioridades toscas de mentes inconversas

Prioridades toscas de mentes inconversas

14 Os porqueiros fugiram e o anunciaram na cidade e pelos campos. Então, saiu o povo para ver o que sucedera. 15 Indo ter com Jesus, viram o endemoninhado, o que tivera a legião, assentado, vestido, em perfeito juízo; e temeram. 16 Os que haviam presenciado os fatos contaram-lhes o que acontecera ao endemoninhado e acerca dos porcos. 17 E entraram a rogar-lhe que se retirasse da terra deles.
18 Ao entrar Jesus no barco, suplicava-lhe o que fora endemoninhado que o deixasse estar com ele. 19 Jesus, porém, não lho permitiu, mas ordenou-lhe: Vai para tua casa, para os teus. Anuncia-lhes tudo o que o Senhor te fez e como teve compaixão de ti. 20 Então, ele foi e começou a proclamar em Decápolis tudo o que Jesus lhe fizera; e todos se admiravam. Marcos 5.14-20.

Pregado na IPB Rio Preto em 13/07/2014, às 19h30.

Introdução

Depois de algumas semanas de intervalo, finalizo a exposição de Marcos 5.1-20, destacando este trecho a partir do v.14. Este relato fecha o assunto introduzido em 3.22, como segue:

Marcos 3.20-30

Marcos 5.1-20

Jesus incompreendido e contestado

Jesus incompreendido e contestado

Jesus instala o reino

Jesus instala o reino

Escribas (influenciadores teológicos) de Jerusalém

O “povo” (influenciadores comerciais) das proximidades

“Observar” e “avaliar”

“Observar” e “avaliar”

Jesus é rejeitado

Jesus é rejeitado

Ao mesmo tempo, o episódio ilustra a “semente que cai entre os espinhos”, da parábola do semeador, de Marcos 4.18-19.

Por isso o título deste sermão: Prioridades Toscas de Mentes Inconversas (o vocábulo “inconverso” significa não convertido). Ao serem confrontadas com a pessoa e a obra de Jesus, as pessoas desta região de Gerasa ou Gadara revelam o que é importante pra elas. Suas prioridades são toscas porque elas não são convertidas ao Senhor da Glória. Entendamos uma coisa: A conversão muda nossos sentimentos e vontade. Quando somos alcançados por Jesus, começamos a amar e desejar conforme Deus. Passamos a dizer como o salmista, “agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu” (Sl 40.8). A conversão dá prosseguimento a uma comunhão com o Senhor que altera nossas disposições mais profundas (cf. o geraseno no v. 18). E não apenas isso. A conversão muda, também, o nosso modo de pensar. A gente reconsidera tudo. Isso produz uma alteração em nossa valorização das coisas. Algumas coisas que a gente valorizava são deixadas de lado. Coisas antes prioritárias deixam de sê-lo. Por outro lado, algumas coisas com as quais a gente não se importava agora são destacadas e altamente consideradas.

E tem mais: Marcos 5.1-20 demonstra que não apenas o homem endemoninhado era um escravo. Eu voltarei a este ponto na conclusão, mas devo dizer, neste momento, que as pessoas desta região de Gerasa ou Gadara também estão sob escravidão espiritual.

Retomando o título do sermão, as prioridades destas pessoas mencionadas em Marcos 5.14-17 são toscas, ou seja, “broncas” e “malfeitas”.[1] Mesmo diante da libertação do homem geraseno ou gadareno, este povo não se converte ao Senhor da Glória.

Que prioridades são essas? O que este povo de Gerada ou Gadara inverte ao ponto de não conseguir crer em Jesus?

I Primeira prioridade tosca: Informação ao invés de comunhão

14 Os porqueiros fugiram e o anunciaram na cidade e pelos campos. Então, saiu o povo para ver o que sucedera. 15 Indo ter com Jesus, viram o endemoninhado, o que tivera a legião, assentado, vestido, em perfeito juízo; e temeram. 16 Os que haviam presenciado os fatos contaram-lhes o que acontecera ao endemoninhado e acerca dos porcos. 17 E entraram a rogar-lhe que se retirasse da terra deles.

A primeira prioridade invertida destas pessoas de Gerasa ou Gadara é valorizar a informação sobre Jesus mais do que a comunhão com Jesus. Elas conversam umas com as outras acerca de Jesus (v. 14a, 16). Elas querem “ver” (v. 14b, 15). No v. 14b, a palavra grega traduzida como “ver” — eidon — é de uso bastante comum e não exige comentários, mas, no v. 15, o termo traduzido como “viram” é theōreō, de onde vem nossa palavra em português “teoria”. Isso quer dizer que elas analisam Jesus teoricamente, a fim de estabelecer um juízo sobre ele. Dito de outro modo, elas “veem” Jesus como um problema a ser resolvido, não como o Salvador a ser crido e obedecido.

Preste atenção nos detalhes do texto. Estas pessoas não perguntam diretamente a Jesus o que aconteceu — elas não ouvem dele o que ele fez, porque ele fez nem quem ele é. Elas o “observam” sem dispor-se a ouvi-lo. Elas o “olham” sem intenção de conhecerem-no como amado de suas almas. Elas estão espiritualmente desinteressadas. Elas não se aproximam de Jesus como Filho de Deus e Soberano Redentor, mas como “algo” ou “alguém” cujos atos precisam ser entendidos de uma perspectiva meramente humana e intelectual.

Resumindo, elas se achegam como curiosas e não como quem se interessa em ser crente e discípulo. Tanto é assim, que a única vez que elas falam algo a Jesus é para pedir que ele vá embora, como veremos adiante.

Você entende isso? A primeira prioridade tosca destas pessoas de Gerasa ou Gadara é que elas preferem informação sobre Jesus ao invés de comunhão com Jesus. Isso nos conduz ao segundo ponto…

II Segunda prioridade tosca: Conforto psicológico ao invés de interação transformadora

15 Indo ter com Jesus, viram o endemoninhado, o que tivera a legião, assentado, vestido, em perfeito juízo; e temeram.

A segunda prioridade bronca destas pessoas de Gerasa ou Gadara é preferir o conforto psicológico ao invés da interação transformadora com Jesus. O texto sugere que não apenas elas não conversam com Jesus acerca deste homem; elas também não conversam com o homem recém-liberto. Apenas o olham e “se assustam”. Uma paráfrase moderna diz que elas “ficaram impressionadas” (Bíblia A Mensagem), mas esta não é uma boa tradução. As melhores traduções são a ARA e ARC, “temeram”, NVI, “ficaram com medo” e NTLH, “ficaram espantadas” — o termo grego usado aqui, phobeō, é a base para nossa palavra em português “fobia”.

Estas pessoas de Gerasa ou Gadara têm medo de quê? O fato é que o confronto com Jesus revelou a profundidade do buraco no coração do geraseno ou gadareno (Mc 5.1-13). O confronto com Jesus nos coloca diante do “novo” e “inusitado”, ou seja, o que não é usual, que é “incomum” ou “estranho”. Para aquelas pessoas, o “normal” e receber notícias ou ver aquele homem geraseno ou gadareno nu, tresloucado, sujo, violento e repugnante. Agora elas o veem bem e percebem que forças espirituais incomuns operaram naquela vida. A exposição — por Jesus — do estrago interior do geraseno ou gadareno resultou em limpeza profunda e mudança de vida. Será que Jesus vai expor os meus demônios? Será aberto, nesta interação com Jesus, a pobreza e maldade de meu coração? Terei de apresentar diante de Jesus a mais esquisita treva que eu escondo no fundo do baú de minha consciência?

O coração enganoso nos leva a erigir fortalezas de conforto para nossos pecados. O sofá de nossa ruína espiritual é fofo. Nós passamos a gostar da escuridão de nosso quarto de entretenimento maligno. Vemos e ouvimos estas pessoas que se tornam cristãs dizerem que confessaram seus pecados, que abriram seus corações. Percebemos o quanto estas pessoas cristãs mudam de vida, mas, diante disso, ao invés de nos abrir a Jesus, nós nos fechamos, com medo. Invertemos as coisas e valorizamos mais o falso conforto do pecado do que a interação transformadora com Jesus. Ao fazer isso, reproduzimos a segunda prioridade tosca destas pessoas de Gerasa ou Gadara.

Dito isto, prossigamos para o terceiro ponto…

III Terceira prioridade tosca: Benefícios imediatos ao invés de benefícios eternos

17 E entraram a rogar-lhe que se retirasse da terra deles.

A terceira prioridade bronca destas pessoas de Gerasa ou Gadara é preferir benefícios imediatos ao invés de benefícios eternos. Comentaristas dedicados sugerem que o pedido do v. 17 é motivado, dentre outras coisas, por interesse econômico. Provavelmente, entre este “povo” estavam os proprietários dos porcos e Jesus causou prejuízo.

Como eu disse na introdução, Jesus leva os discípulos à região de Gerasa ou Gadara para exemplificar a “semente que cai entre os espinhos”, da parábola do semeador, de Marcos 4.18-19.

18 Os outros, os semeados entre os espinhos, são os que ouvem a palavra, 19 mas os cuidados do mundo, a fascinação da riqueza e as demais ambições, concorrendo, sufocam a palavra, ficando ela infrutífera (Mc 4.18-19).

A Palavra poderosa é semeada, mas outras coisas “concorrem” com a Palavra. A fé em Jesus é exclusiva. Jesus não aceita “concorrentes”. Esta é uma atualização de Êxodo 20.3: “Não terás outros deuses diante de mim”. Em lugar, Jesus esclarece e desafia:

Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas (Mt 6.24).

O problema deste povo de Gerasa ou Gadara: Se a fé em Jesus implica em prejuízo financeiro, que saia Jesus.

Eis, então, três prioridades toscas. O povo de Gerasa ou Gadara prefere informar-se acerca de Jesus do que cultivar uma comunhão viva com Jesus. Eles preferem permanecer no conforto psicológico do pecado do que interagir com Jesus para serem transformados. E eles dizem sim aos ganhos financeiros imediatos e não a Jesus como Redentor e Benfeitos eterno. Conseguimos ver os problemas? Chegou a hora de concluir.

Concluindo…

Concluo com poucas afirmações. Primeira: Em minha opinião, os v. 14-17 são muito mais assustadores do que os v. 1-13! Nos primeiros treze versículos de Marcos 5, vemos a ação escancarada de Satanás como dragão destruidor.

Nos v. 14-17 enxergamos a ação sutil e muito mais perigosa de Satanás como Serpente Oculta na Grama Verde — enganadora e mortal, que hipnotiza e enfeitiça o ser humano fazendo-o achar que está tudo bem, quando na verdade, caminha para a destruição! Está tudo bem — ou pior, estava tudo melhor antes de Jesus. Nossa rotina estava ótima sem Jesus. Nossos negócios estavam ótimos sem Jesus. Jesus perturba e atrapalha. Abra os seus olhos espirituais. O endemoninhado dos v. 1-13 é perturbado pelos demônios, mas o povo, dos v. 14-17 é perturbado por Jesus! Você percebe como isso é assustador? Relembremos que o mesmo está acontecendo do outro lado do mar, com os religiosos judeus! Eles estão confortáveis com Satanás nas sinagogas e incomodados com Jesus! Isso é assustadoramente grotesco! Escravidão espiritual! O Evangelho de Marcos está nos mostrando seres humanos cujos corações estão subjugados por idolatria e tolice.

Segunda afirmação. Notemos o contraste entre v. 14-17 e v. 18-20. O homem outrora possesso por Legião — o “loucão” que assustava os cidadãos de bem; o lunático que batia na gente produtiva e trabalhadora de Gerasa ou Gadara — se torna um missionário. Para este recém-liberto, Jesus é mais precioso do que tudo! Jesus é sua principal prioridade. O povo respeitável de Gerasa e Gadara, porém, demonstra absoluto desprezo pelo homem recém-liberto (ninguém se congratula com ele!) e também por Jesus o Libertador. Para as pessoas daquela região, Jesus é menos importante do que os porcos. Prioridades toscas de mentes inconversas. A falta de conversão nos faz valorizar as coisas mais podres e inconvenientes, deixando de valorizar as coisas espirituais e importantes.

Terceira afirmação. Retornemos às ideias comuns de Marcos 5.1-20 e 3.20-30. Notemos os destaques deste Evangelho de Marcos. Admitamos que Jesus é contestado tanto por gente religiosa do judaísmo, quanto pelos pagãos ou gentios. Apesar de toda contestação, Jesus instala o reino de modo soberano e plenipotente. Pessoas estão sendo alcançadas por esta Palavra que “não volta vazia” (Is 55.10-13). Nem quando todo o inferno se levanta ou toda oposição humana se articula — nada detém o avanço do reino. É assim individualmente.

Talvez você erga defesas contra o evangelho de Jesus, declarando “daqui pra cá Jesus não entra”, mas Jesus continua instalando seu reino. Como diz este Evangelho, “O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho” (Mc 1.15). Isso quer dizer que cada um de nós precisa dizer ao Redentor: “Senhor Jesus, seja o Rei da minha vida!”. Se você não fez isso ainda, precisa fazê-lo, porque este reino de Jesus não é apenas sobre as galáxias distantes, mas sobre o meu e o seu coração. Ele é o soberano que deseja reinar sobre nossas vidas.

Algumas pessoas deste Evangelho de Marcos interagem com Jesus de maneira crítica. Outras ser tornam suas seguidoras — seus discípulos. Chegou o tempo de parar de criticar e começar a crer. Este é o chamado do evangelho: Creiamos em Jesus, entregando a ele toda a nossa esperança e todo nosso destino.

Última observação: Que olhemos para este texto e não estejamos entre os que rejeitam Jesus Cristo. Esta é grande linha divisora do Evangelho de Marcos. Há os que o acolhem e os que o rejeitam. Que Deus nos abençoe e ajude a estar entre aqueles que acolhem a pessoa, a obra e esta doce comunhão com o Senhor da glória. Amém.

Notas

[1] FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Tosco. In: Dicionário Aurélio Eletrônico 7.0. Curitiba: Editora Positivo, 2009. CD-ROM.

0 Comentários

Deixe uma resposta

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que usamos para melhorar sua experiência. Mais informações.